Uma pomba meditando no seu destino

April 27, 2017

 

Quando em 1992, o traço inspirado de Henrique Abranches poisou uma pomba branca numa urna eleitoral, o que passaria pela sua cabecinha arrulhante? 

 

Há um filme de Roy Andersson chamado "um pombo pousado num ramo meditando sobre a sua vida...." que conta a história de dois homens, Jonathan e Sam vivendo na mesma casa, cansados do quotidiano de morte e da inevitabilidade do sofrimento... uma sucessão de situações fora do normal retratando a existência em toda a sua grandeza e pequenez, beleza e tragédia, exagero e tristeza – com "uma visão panorâmica, como se fossem contadas por um pássaro a reflectir sobre a condição humana”.

 

No estúdio do velho arqueólogo, escritor  e pintor, conversámos sobre o o desenho simbólico das primeiras eleições: cansados da guerra os homens chamaram a pomba que depois do dilúvio trazia no bico um raminho de oliveira, agora com um boletim de voto como o sinal de fazer calar as armas e deixar falar o povo.  Sem água no bico... Contudo, muito deve ter reflectido aquela pomba em algum galho onde terá procurado abrigo, alvoroçada pelos tiros que inesperadamente voltaram a ser disparados-

 

Foi preciso esperar por 2008 para se voltarem a realizar eleições, já em em tempo de reconciliação nacional, o que de certo modo explica que  a pomba de Henrique Abranches tivesse ido parar ao álbum de recordações. O mesmo em 2012. "Lá vai uma, lá vão duas, três pombinhas a voar... tenho sete namorados e não gosto de nenhum..." Os miúdos, como sempre, percorriam as ruas cantando... Ficava no ar um misto de euforia e insatisfação que se enrolavam como espiraIs de um fumo sacrificial.  Ninguém liga à cantoria mas as crianças são o futuro. Assim pensa a pomba no seu refúgio. Ayué democracia.... as eleições já não são para fazer a paz mas para consolidar, legitimar e ditar a lei do mais forte. A paz, como reza a Constituição não é mais o raminho de oliveira porque "tem  como base o primado do direito e da lei e visa assegurar as condições necessárias à estabilidade e o desenvolvimento do País". Poisada no seu galho, a pomba deve meditar como são diferentes,  nas suas perspectivas, expectativas e imprevisibilidade, as eleições de 2017! Agora, uma pomba mecânica com os mais modernos controlos electrónicos, realizará o seu voo sobre as assembleias de voto, um voo que se espera de perfeição, para ir pousar tranquilamente num computador auditado de alto a baixo e no qual os partidos hão-de pôr toda a sua complacência. Também é justo, deve reflectir a  pomba, abrindo as asas como se nos quisesse abraçar a todos e sentisse que nestas eleições, a paz, como em 1992 continua a ser a necessidade de aproximar todos os cidadãos. Também ela foi ganhando novos nomes... já foi o outro nome de desenvolvimento, hoje é o outro nome da misericórdia. A pomba sacode a cabeça para trás e para a frente e arrulha... O nome da paz é a memória... pensa!

 

 

 

s e deixar falar o povo. Há um filme de 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Junto ao Rio Catumbela...

April 3, 2017

1/4
Please reload

Posts Recentes

November 12, 2019

November 6, 2019

September 10, 2019

June 3, 2019

December 22, 2018

Please reload

Arquivo